Apostilas Opção

http://www.apostilasopcao.com.br/apostilas.php?afiliado=13516

Brasileiro em Miami é suspeito de enviar 60 fuzis ao RJ

 Brasileiro em Miami é suspeito de enviar 60 fuzis ao RJ: Frederik Barbieri seria dono de uma empresa de fachada nos EUA
            


Reprodução / TV Globo Frederik Barbieri seria dono de uma empresa de fachada nos EUA

Um brasileiro em Miami (EUA) é um dos suspeitos de ter enviado 60 fuzis ao Rio. As armas foram apreendidas nesta quinta-feira (1º) no aeroporto do Galeão, na maior apreensão do armamento no Estado em dez anos.
Segundo a polícia civil, o suspeito é Frederik Barbieri, dono de uma empresa de fachada nos EUA, de exportação e importação. A polícia americana foi avisada e está tentando achá-lo.
Transportada dentro de contêineres com oito aquecedores de piscina, a carga estava no Terminal de Carga do Galeão há cinco dias. Ela não passou pelo raio-x do aeroporto internacional e entraria na cidade, não fosse a investigação policial.
"Nós não sabíamos que essa carga ia chegar. Temos a investigação e parceiros no aeroporto, que nos chamaram para averiguar", afirmou o delegado Tiago Darigo, da delegacia de roubos de cargas.
Quatro suspeitos foram presos no Rio, mas ainda não tiveram a identificação divulgada pela polícia. Dois receberiam a carga, um iria transportá-la e outro é um despachante aduaneiro credenciado, que iria cuidar dos trâmites legais do conteúdo. Eles tiveram prisão preventiva decretada pela Vara Criminal de São Gonçalo, segundo Darigo.
Conforme a polícia, os fuzis iriam para a Baixada Fluminense. "Ainda não checamos os papéis, para quem iria, nomes de empresas. Foi rápido, fomos avisados hoje de manhã", disse o delegado.
As delegacias de Roubos e Furtos de Cargas e a Especializada em Armas, Munições e Explosivos devem pedir na Justiça que o armamento fique com a Polícia Civil. Os fuzis ""45 AK-47, 14 AR-10 e um G3"" são novos e valem cerca de R$ 4,8 milhões.
As investigações começaram há dois anos, com a morte de um policial militar em São Gonçalo, região metropolitana. "Ele morreu com um tiro de pistola, mesma arma usada em um roubo de cargas. Começamos a investigar até chegar a conclusão que eram especializados em importação de armas", explicou Darigo.
'ENXUGANDO GELO'
O secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, ressaltou o trabalho de inteligência da polícia e lembrou que os fuzis são as armas mais usadas por traficantes. "No Rio, traficante só tira onda de machão por causa de fuzil. Antes, apreendíamos um fuzil por dia, e agora em 2017, já são mais de um por dia", afirmou o secretário.Em tom de desabafo, Sá reclamou do fato de o tráfico de armas não ser crime hediondo. "A pena é de quatro a oito anos de prisão. Me sinto enxugando gelo", disse.
A apreensão dos 60 fuzis representa 43% de todos os fuzis apreendidos em 2017. Entre janeiro e abril, dado mais recente do ISP (Instituto de Segurança Pública), foram apreendidas 139 armas desse tipo no Estado. Em todo 2016, foram 371. Em dez anos, o Rio teve 2.545 fuzis apreendidos.
No dia 2 maio, um confronto entre traficantes na zona norte do Rio, desencadeou uma série de ataques a ônibus na avenida Brasil, uma das principais vias da capital, e na rodovia Washington Luís.
Na ocasião, a PM prendeu mais de 40 suspeitos, além de ter apreendido 32 fuzis, quatro pistolas e onze granadas. Com informações da Folhapress.

magazine Luiza